sexta-feira, janeiro 20, 2006

(corredor da morte, Texas State Prison)

Ali estou eu, algures entre as frestas do solo e o imenso azul. Despido mas não nú, rasgaram-me do corpo a vergonha.
Acorrentado, sangrando, sigo arrastando-me, com a minha pele a deixar um rastro. Sorrio. Sangro e sorrio porque nunca fui tão livre. Tu vens comigo, estás num sítio onde ninguém te pode tocar. Só eu sei que é para junto de ti que vou quando fecho os olhos. És meu, sem dúvida. Estou contigo agora. Doem-me os lábios, ultimamente tenho sorrido muito... Posso ficar aqui para sempre, onde descanço os meus nos teus?

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

"nem sempre as certezas são a base para algo seguro."

5:36 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Podes, mas nao tens que fazer a pergunta, podes e faze-o porque eu preciso de eles, de teus braços, teus olhos, de ti, tudo...

5:09 da tarde  

Publicar um comentário

<< Home

Free Website Counter
Free Website Counter